Categorias de navegação

Cultura

Cultura, Pintura

Picasso: mão erudita, olho selvagem

Fazia tempo que eu não passava pra indicar uma programação cultural, mas é que último semestre da faculdade monopoliza todo o tempo de uma pessoa. O fato é que voltei e as indicações também! Esses dias fui no Instituto Tomie Ohtake ver a exposição do Picasso que está lá desde o dia 22 de maio e fica até 14 de agosto… Ainda tem um mês!

A maioria das pessoas quando pensa em Pablo Picasso, logo pensa nas suas obras cubistas, mas o cubismo foi apenas uma das fases do francês que começou a pintar aos 7 anos e pintou até quase o dia da sua morte, aos 91 anos.

Croquis do figurino que Picasso desenhou para o balé Pulcinela em 1920

Croquis do figurino que Picasso desenhou para o balé Pulcinela em 1920

A exposição separa as 153 peças (parte do acervo do Museu Nacional Picasso-Paris) em fases e se você for com calma e ler todas explicações, é mais rico que uma aula de arte! Algumas fases exploradas na exposição:

O primeiro Picasso: formação e influências

Nessa fase, Picasso estudava na Escola de Belas Artes de La Coruña onde seu pai (também pintor e restaurador de obras de arte) era professor.

7

L’homme à la casquette, Picasso pintou quando tinha apenas 14 anos.

Picasso Exorcista: as senhoritas de Avignon.

Foi aqui, em férias no litoral espanhol, que Picasso passou a dar um novo rumo para sua arte. Foi nessa fase que inicializou a revolução do cubismo e que passou a pintar quase que exclusivamente o corpo feminino. Foi nessa fase que ele começou a geometrizar as coisas.

Picasso Cubista: O Violão.

O Cubismo de Picasso é estudado em três partes: a cezanniana, a analítica e a sintética. O Violão é uma obra que está entre a segunda e a terceira parte. O instrumento, que era objeto de fetiche de Picasso, afirma o parentesco espiritual entre a pintura e a música.

O Violão, 1912

O Violão, 1912

Picasso Surrealista: As Banhistas.

De férias em Dinard entre 1928 e 1929, no litoral francês, com a mulher e o filho, Picasso deu início a uma fase surrealista. O que antes era forma, agora passa a pintar anatomias decompostas. A tela “As Banhistas” é um retrato dos encontros secretos, que foi inspirado pelas confusões que as férias desse verão trouxeram, pois sua amante Marie-Thèrése Walter também estava em Dinard.

5

As Banhistas

Picasso Engajado: Guernica.

A partir de 1936, Picasso se envolve em projetos para desenvolvimento da arte e da cultura do governo da Frente Popular na França. É nesta fase que sua arte se engaja na luta política e contribui para a história contemporânea. Em 1937, na Exposição Universal, em Paris, ele pinta Guernica como reação da cidade basca ao bombardeio pela aviação nazista em 1937.

Registro fotográfico do processo de criação de Guernica, em 1937.

Registro fotográfico do processo de criação de Guernica, em 1937.

 

Grande Banhista com Livro, 1937

Grande Banhista com Livro, 1937

 

Mulher chorando, 1937

Mulher chorando, 1937

Picasso na resistência: Interiores e Vanitas.

Nessa fase, Picasso fica obscuro. Lida muito com o medo e a dor. Nessa fase Picasso sentiu-se ameaçado pelo governo, sofreu o luto pela morte de sua mãe e viveu momentos de muita angústia. Isso reflete-se em suas obras que passam a ter a morte como tema recorrente.

Gato com passarinho na boca (1939) e O Garoto e as Pombas (1943)

Gato com passarinho na boca (1939) e O Garoto e as Pombas (1943)

Picasso Múltiplo: A Alegria da Experimentação.

Nessa fase, verão de 1946, Picasso passa a se aventurar no mundo da escultura. Transitando entre materiais como argila e zinco, o artista talha animais como coruja e pomba à mão e esculpe vasos de barro. É a retomada da alegria na obra de Picasso, depois de um tempo obscuro. Algumas peças dessa época estão disponíveis na exposição em uma vitrine.

O Último Picasso: O Trunfo do Desejo.

Aqui Picasso escandaliza e passa a pintar telas explicitamente eróticas, a sexualidade passa a estar presente em sua obra quase como uma obsessão. Órgãos explícitos, cenas de orgia e sexo são pintados à exaustão em sua última fase criativa.

Tela Le Baiser, à esquerda.

Tela Le Baiser, à esquerda.

A exposição encerra com um autorretrato do artista feito apenas um ano antes de sua morte que soa quase amador, o que é muito irônico pra quem pintou L’homme à la casquette aos 14 anos.

Autorretrato: O jovem pintor, 1972

Autorretrato: O jovem pintor, 1972

Recomendo que quem puder, vá ver de perto! Tem muita coisa que não registrei pra não entregar tudo…

  • Instituto Tomie Ohtake – Rua Coropé, 88, Pinheiros
  • R$ 12,00 inteira / R$ 6,00 meia – entrada gratuita às terças-feiras
  • Abre de terça à domingo, das 11h às 20h (pode entrar até às 19h)

 

 

Cultura

A arte moderna simplificada

Achei esse vídeo por acaso enquanto passeava pela internet e AMEI! Deviam incluir nas aulas de história da arte, vou dividir com vocês e depois falar um pouco de cada movimento que o vídeo explorou pra vocês verem quão genial é a pessoa que fez essa animação super didática de um assunto às vezes tão confuso pras pessoas…

Impressionismo

  • Ênfase nos temas da natureza, principalmente paisagens;
  • Uso de técnicas de pintura que valorizam a luz natural;
  • Valorização da decomposição das cores;
  • Pinceladas soltas buscando os movimentos da cena retratada;
  • Uso de efeitos de sombras coloridas e luminosas.
Obra impressionista: Claude Monet - Sunrise

Impressionismo: Claude Monet – Sunrise

Pontilhismo 

O pontilhismo é uma técnica de pintura que consiste em usar pontos coloridos próximos uns dos outros e sem espaços em branco. A técnica foi denominada um movimento artístico por muitos historiadores e começou no início do século XX, fortemente influenciada pelo impressionismo.

Pontilhismo: George Seurat - Tarde de Domingo na Ilha de Grande Jatte

Pontilhismo: George Seurat – Tarde de Domingo na Ilha de Grande Jatte

Art Nouveau

Nasceu na França em 1980 e ultrapassou a barreira da pintura, influenciando a arquitetura, o design e a arte de móveis. Características:

  • Utilização de materiais como, por exemplo, vidro, madeira e cimento.
  • Relação com a produção industrial em série.
  • Uso dos conhecimentos físicos e matemáticos.
  • Valorização da lógica e do conhecimento racional.
  • No âmbito social, a art nouveau está muito ligada ao desenvolvimento da burguesia industrial.
  • Oposição ao movimento romântico e à valorização das expressões sentimentais nas artes.
  • Busca da massificação das artes plásticas através da valorização dos processos industriais.
  • Valorização de temas ligados à natureza (plantas, flores, árvores e animais), retratados com linhas em movimento, dando valor às formas.
  • A figura feminina (imagens de mulheres) é muito retratada nas pinturas e ilustrações. – Uso de arabescos em ilustrações.
  • Uso de cores com tonalidades frias nas pinturas.
Art Nouveau: Klimt - A Árvore da Vida

Art Nouveau: Klimt – A Árvore da Vida

Fauvismo

Esse movimento também nasceu da França e a origem é a palavra francesa fauves que singnifica feras, tem características expressionistas e também:

  • Uso de cores intensas (rojo, verde, amarelo, azul e vermelho);
  • Busca de estabelecer harmonia, tranqüilidade, pureza e equilíbrio nas obras de arte;
  • Uso de formatos planos, grandes, simples e com traços largos;
  • Intenção de demonstrar sentimentos nas obras;
  • Temas preferidos: cenas urbanas e rurais, retratos, ambientes internos, nus e cenas ao ar livre.
Fauvismo: Henri Matisse - A Dança

Fauvismo: Henri Matisse – A Dança

Expressionismo

Nasceu na Alemanha, enquanto o mundo enfrentava a guerra. As artes desse período/movimento, mostram críticas sociais, políticas e estados psicológicos bem definidos.

Expressionismo: Munch - O Grito

Expressionismo: Munch – O Grito

Cubismo

Nasceu em 1907 na França. Cor moderada e formas predominantemente geométricas e desestruturadas. Além de apreciar a obra, era preciso decifrar.

Cubismo: Pablo Picasso - Still Life with mandolin and Guitar

Cubismo: Pablo Picasso – Still Life with mandolin and Guitar

Futurismo

Nasceu em 1907 na Itália e tem como principais características:

  • Desvalorização da tradição e do moralismo;
  • Valorização do desenvolvimento industrial e tecnológico;
  • Defesa de uma ligação entre as artes plásticas e o mundo moderno;
  • Propaganda como principal forma de comunicação;
  • Pinturas com uso de cores vivas e contrastes.
  • Sobreposição de imagens, traços e pequenas deformações para passar a ideia de movimento e dinamismo;
Futurismo: Umberto Boccioni - Simultaneous Visions

Futurismo: Umberto Boccioni – Simultaneous Visions

De Stijl 

Também conhecido como Neoplasticismo, esse movimento influenciou a pintura e a arquitetura. Além de movimento artístico, é considerado uma teoria da arte. Seu período foi entre 1917 e 1920 e suas principais características foram:

  • Arte Abstrata.
  • Valorização das formas geométricas.
  • Uso de linhas horizontais e verticais. As linhas oblíquas e curvas não são utilizadas nas obras do Neoplasticismo.
  • Ênfase no uso de cores puras: vermelho, amarelo e azul.
  • Busca de senso de equilíbrio e harmonia.
De Stijl: Piet Mondrian -Composição com grade I

De Stijl: Piet Mondrian -Composição com grade I

Construtivismo 

Surgido na Rússia depois da Revolução Soviética, a arte era encarada não tanto como representação e mais como construção, o que aproximou arte e arquitetura. O movimento começou derivado da colagem e evoluiu para esculturas tridimensionais que usavam muito ferro, vidro, madeira e aço. Esse foi um dos primeiros movimentos que influenciaram muito o design gráfico. A primeira vez que o termo foi usado na arte, foi em 1917 por Malevich pra descrever o trabalho do russo Aleksandr Rodchenko.

Construtivismo: Aleksandr Rodchenko

Construtivismo: Aleksandr Rodchenko

Surrealismo

Em 1920, mais um movimento com origem na França. Esse movimento foi fortemente influenciado pelas teses psicanalíticas de Freud e exploram o inconsciente humano. O movimento marcou a libertação da mente da lógica imposta e dos padrões comportamentais e morais estabelecidos pela sociedade.

Surrealismo: Dali - A Persistência da Memória

Surrealismo: Dali – A Persistência da Memória

Expressionismo abstrato

Foi o primeiro movimento americano a ter influência mundial e que inseriu NY no centro do mundo artístico, lugar ocupado por Paris por décadas. O termo foi usado pela primeira vez em 1952 e esse movimento mistura a intensidade emocional do expressionismo e a estética de escolas abstratas da Europa como futurismo, Bauhaus e cubismo estético.

Expressionismo abstrato: Jackson Pollock - Blue Poles

Expressionismo abstrato: Jackson Pollock – Blue Poles

Pop-Art 

Na década de 1950, esse movimento foi desenvolvido entre a Inglaterra e os Estados Unidos. Foi uma reação artística ao movimento do expressionismo abstrato. No pop-art, a inspiração era a cultura de massas e a abordagem era irônica ao se referir à vida consumista, latas de refrigerante, alimentos populares, histórias em quadrinho e ídolos pop.  Cores fortes eram a grande característica e muitas vezes técnicas de colagem eram utilizadas.

Pop-art: Andy Warhol - Marilyn Monroe

Pop-art: Andy Warhol – Marilyn Monroe

Minimalismo

Nascido nos EUA na década de 60, o movimento tem como características:

  • Elaboração de obras (pinturas, esculturas, músicas, peças de teatro) com a utilização do mínimo de recursos;
  • Utilização de poucas cores nas pinturas;
  • Nas artes plásticas, destaque para o uso de formas geométricas com repetições simétricas;
  • Criação de músicas com poucas notas musicais, valorizando a repetição sonora.
Minimalismo: Sol Lewitt - Wall Structure Blue

Minimalismo: Sol Lewitt – Wall Structure Blue

Arte Conceptual

A arte conceptual (ou conceitual) foi uma manifestação presente nas décadas de 60 e 70 e o nome já diz muito. Nessa arte, o conceito é mais importante que o objeto em si. Por tratar-se de uma teoria muito democrática, é difícil delimitar uma manifestação que seja exclusivamente conceitual. Pode ser uma tela, uma fotografia, um poema ou qualquer outra obra em que o elemento principal seja a ideia e não o objeto. O principal das artes conceituais não é palpável. É comum que artistas conceituais se recusem a fazer arte que sejam encaradas como objetos de luxo, indo contra os primórdios das artes, quando ter obras de arte era sinônimo de status.

Principais características:

  • Valorização do conceito e da ideia da obra de arte, que se tornam mais importantes do que o objeto e sua representação física.
  • Uso de diversos meios como, por exemplo, performances, instalações artísticas, vídeos, textos e fotografias.
  • Forte desenvolvimento da arte ambiental, arte postal e grafite (principalmente em área públicas).
  • Ideal de volta do figurativismo (arte figurativa), valorizando a forma humana, elementos da natureza e objetos criados pelo homem.
  • Rompimento com o formalismo artístico.
Arte Conceptual: Joseph Kosuth - Uma e três cadeiras

Arte Conceptual: Joseph Kosuth – Uma e três cadeiras

Pós-Moderno

No pós-modernismo a poética precisa ser mais forte que a estética, seguindo a linha da arte conceitual. Tudo pode, mas nem tudo convém. Ainda é um movimento com poucas teorias sólidas, por ser mais recente, mas a arte contemporânea tem como principal característica a poesia, a teoria, o conceito. E as fronteiras entre as linguagens artísticas não são tão rígidas, tudo se confunde…

Espero que tenham curtido esse post tanto quanto eu gostei de fazer…

Bom final de semana!

Principais fontes: Sua Pesquisa | InfoEscola | Wikipedia

Cultura

19 de abril: dia do Índio

Dia 19 de abril é dia do Índio e não posso deixar passar batido. Hoje as principais populações indígenas, segundo a FUNAI, são: Tikuna, no Amazonas, Guarani Kaiowá no Mato Grosso do Sul e os Kaingang, no Sul do país. Com todo o respeito do mundo, busquei algumas informações sobre cada uma – se ouve falar tanto sobre as Kardashians e tão pouco sobre as tribos do nosso país, acho justo que a gente busque informação.

Tikuna: a história da nossa maior população indígena foi marcada por muita violência na entrada de madeireiros, seringueiros e pescadores na região do rio Solimões. Apenas em 1990 eles conseguiram reconhecimento oficial de todas as sua terras, mas ainda lutam pela sustentabilidade econômica e ambiental. 42 das 59 aldeias Tikunas existentes no Brasil, estão no Amazonas. Há aldeias ainda no Peru e na Colômbia. No lado brasileiro, a língua Tikuna é amplamente falada, são raros os casos em que as famílias não ensinam a língua aos seus filhos desde cedo, no entanto a complexidade é um desafio para alguns Índios que, localizados em sua maioria ao longo do Rio Solimões, migram para Manaus e precisam lidar com o português.

Índios Tikuna em ritual

Índios Tikuna durante ritual

Cada família tem sua roça, nela trabalham todos os integrantes da família. Sobrevivem da pesca e da agricultura… Entre os produtos mais plantados estão a mandioca, a banana, o abacaxi, milho, cana e melancia. O excedente do consumo é comercializado.

Uma das tribos mais ricas culturalmente, o acervo artístico Tikuna conta com máscaras cerimoniais, bastões de dança esculpidos, pintura em entrecascas de árvores, estatuetas zoomorfas, cestaria, cerâmica, tecelagem, colares com figuras esculpidas em tucumã, muita música e muitas histórias literárias. O artesanato em tecelagem conta com o tingimento de corantes obtidos de mais de 15 plantas tintórias.

ticuna_11

Guarani Kaiowá: O modo de ser guarani é sustentado sobre três pilares: o homem e sua fala, seu avô e seus ancestrais míticos comuns e o comportamento social sustentado em arsenal mítico e ideológico. Muito espirituais, os Guarani-Kaiowá são hoje 31.000 índios localizados no Mato Grosso do Sul. É um povo extremamente afetado pela ganância humana, desde 1920 suas terras são desapropriadas para derrubada de matas para implantação de empresas agropecuárias. A partir do final década de 70,  o povo Guarani-Kaiowá passou a resistir mais bravamente às retiradas e vem lutando para conseguir suas terras de volta. Até 2003, 16 territórios foram recuperados. Muito diálogo com o governo federal, muitas lutas e muita briga  judicial está rolando até hoje para que os índios tenham apenas o que lhes é de direito. Eles chegaram muito antes de todos nós e são vítimas da brutalidade da nossa sociedade.

Imagem triste durante a evacuação de uma terra indígena Guarani-Kaiowá para instalação de uma hidrelétrica

Imagem triste durante a evacuação de uma terra indígena Guarani-Kaiowá para instalação de uma hidrelétrica

Os Guaranis-Kaiowá se agrupam por famílias e essa é a estrutura produtiva deles e as tarefas são  dividas por sexo. Homens casam entre os 16 e os 18 anos. As mulheres casam depois da segunda ou terceira menstruação (aproximadamente entre os 14 e 17 anos), na primeira menstruação as meninas têm seus cabelos cortados e ficam resguardadas por semanas. Após o casamento, o novo casal passa a morar na casa do pai da mulher.

É entre os Guaranis-Kaiowá a maior presença de missionários brasileiros. Diversas organizações católicas e evangélicas atuam na área indígena no Mato Grosso do Sul.

Ainda que pratiquem a caça e a pesca, a principal atividade econômica é a agricultura. Milho, mandioca, batata doce, cana-de-açucar, abóbora, arroz, feijão e algumas espécies utilizadas como remédios. O povo Guarani é um povo muito sábio e aplica sua sabedoria para otimizar o uso da terra e dos recursos naturais, conhecem profundamente as sementes, as plantas e suas funções. Os Guarani-Kaiowá sofrem muita influência da tecnologia moderna por terem fácil acesso ao mundo globalizado, mas mantém suas atividades tradicionais.

Kaingang: Divididos entre os estados do RS, SC, PR e SP, são a terceira etnia indígena mais populosas do país e falam uma língua pertencente à família do Jê. É muito comum ver famílias Kaingang habitando zonas urbanas próximas às terras indígenas, o que dificulta um pouco o trabalho do CENSO para mensurar o real tamanho da população. Com um índice migratório elevado, muitos Kaingangs estão trabalhando em fazendas e sítios como trabalhadores altamente qualificados. Dentro da comunidade, há uma hierarquia bem definida: na terra indígena, o cacique toma as decisões externas e o vice-cacique é o responsável por projetos e transferências. Já dentro de cada aldeia há um capitão que cuida da manutenção da ordem e um soldado responsável pelas punições.

O centro da vida ritual entre os Kaingang é ocupado pelo ritual de culto aos mortos. O xamanismo Kaingang é uma relação esteira que os índios estabelecem entre sociedade, natureza e sobrenatureza. O xamã é um mediador que atua nas relações entre o domínio do natural e sobrenatural. É denominado xamã devido a sua reputação especialmente em virtude das suas habilidades de cura e capacidade de ver e saber o conhecimento.

A cultura Kaingang organizou-se sobre uma economia baseada na caça, pesca, coleta e agriultura complementar. Hoje a agricultura é o elemento básico da economia Kaingang.

O grafismo Kaingang é uma manifestação artística muito característica. Os grafismos aparecem em uma grande variedade de suportes como trançados, tecidos, armas, utensílios de cabaça, cerâmica, troncos de pinheiros, etc. e nos corpos dos Kaingang.

Artesanato Kaingang

Artesanato Kaingang

O desrespeito e descaso contra os povos indígenas do Brasil são históricos, muitas etnias já foram dizimadas e muitas aldeias não têm condições sequer de cultivar seus próprios alimentos. Os índios precisam de apoio nas lutas pelos seus direitos. Isso é muito sério!

Aproveitando, eu e o Ju fomos convidados para endossar uma campanha de uma marca de joias pra levantar fundos pra doar alimentos e ajudar no sustento da tribo Guarani-Kaiowá do MS que está em fase crítica e sem condições para sua própria sobrevivência. Eles precisam de ajuda. Quem também puder ajudar com doações, entre em contato pelo e-mail: doacao@carolmacea.com.br – no final do mês de abril a doação será feita.

make

Fontes: Povos Indígenas no Brasil | FUNAI

Cultura, Exposição

SP-Arte: acaba amanhã

Há 11 anos, anualmente, rola em São Paulo a SP-Arte, um dos eventos mais incríveis da cidade! São milhares (representados por 124 galerias em 2016) de artistas nacionais e internacionais reunidos em um ambiente muito democrático que dá espaço à todas as manifestações de arte possíveis.

SP Arte 2016. Foto: FFW

SP Arte 2016. Foto: FFW

Desde o design (que veio com tudo nessa edição em um espaço inédito) de móveis e artigos de decoração, à pintura, escultura, poesia, fotografia, até instalações interativas. A edição de 2016 começou no dia 7 e rola até amanhã no Pavilhão da Bienal e eu recomendo que tirem umas horinhas do domingo pra dar uma passeada pelos corredores e sair de lá com a cabeça fervilhando de ideias. Há também um espaço pra comprar livros relativos à arte, tem lugar pra comer, beber e se inspirar nesse mundo de mentes criativas.

Impossível não tirar mil fotos na visita à feira, ao longo da semana posto mais.

Impossível não sair de lá sem pelo menos uma foto.

Geralmente o evento abre para convidados um dia antes da abertura ao público. São donos de galerias, colecionadores e grandes apreciadores de arte que passeiam pelos corredores em busca de uma nova peça pra levar pra casa. Os itens seguem em exposição até o fim da feira, mesmo após serem vendidos. Se você for nos últimos dias, vai observar várias obras sinalizadas como já vendidas.

16097406

Tela de Beatriz Milhazes vendida por aproximadamente R$ 16 milhões no primeiro dia da SP-Arte

A feira conta com patrocínios de empresas e marcas como Itaú, Oi, Iguatemi, Heineken, Minalba, Volvo, Perrier-Jouet, Amsterdam Sauer e Officine Panerai. Muitos apostaram que esse ano a feira seria mais tímida, devido ao cenário econômico (a feira desse anos conta com 24 galerias a menos que a edição de 2015), mas grandes negócios foram feitos até então, como o da tela da Beatriz Milhazes que foi arrematada por um dos executivos da Ambev.

SP-Arte | No Pavilhão da Bienal dentro do Parque Ibirapuera (portão 3) | R$ 40 inteira R$ 20 meia | De 07/04 a 10/04.

Cultura

O carnaval pelo mundo

O carnaval é uma festa muito famosa no Brasil, talvez a mais famosa de todas. Eu queria fazer um post sobre a data, mas como não sou muito adepta da folia, achei um jeito interessante de falar sobre a festa… Muita gente acha que o carnaval é coisa típica brasileira, mas não fomos os criadores e nem somos os únicos adeptos.

Carnaval vem do latim, carnis levale, que significa “retirar a carne”. O nome faz menção ao jejum de carne que deve ser feito na quarentena que precede a páscoa. O carnaval como festa pode ter tido origem na Babilônia, já a relação incontestável entre o carnaval e a liberdade sexual pode ter origem greco-romana que faziam orgias e bacanais dedicados ao Deus do Vinho, Baco (ou Dionísio para os gregos). Muito álcool e sexo, isso diz muito sobre o que vemos hoje em dia, né?

Dentre os carnavais mais famosos do mundo, estão lugares que nem imaginava! Vou dividir o que aprendi com vocês!

O carnaval de Barranquilla, na Colômbia, é considerado Obra Mestra do Patrimônio Oral e Intangível da Humanidade pela UNESCO! Fiquei impressionada com esse título. Os desfiles começam no sábado, como aqui, e são apresentados números de danças e músicas folclóricas. É uma festa muito rica culturalmente.

shutterstock_131773424

shutterstock_131773493

Em Basileia, na Suíça, o carnaval (Fasnacht pra eles) dura 72 horas. Começa na segunda-feira ainda de madrugada, num ritual chamado Morgestraich onde todas as luzes apagam e grupos com fantasias e lanternas desfilam tocando músicas de carnaval com flautas e tambores.

56166803

Carnival revelers move through the inner city making music at the 'Morgestraich' ('morning prank') celebrations in Basel. The 'Morgestraich' marks the beginning of the carnival of Basel lasting 72 hours which attracts thousands of spectators from Switzerland as well as from Germany, France and Luxembourg.

Quebec é um lugar extremamente GELADO nessa época do ano, mas isso não impede que eles façam um dos carnavais mais famosos do mundo anualmente. O carnaval deles começa no dia 29 de janeiro e dura 17 dias… O palácio de gelo é a atração que mais leva turistas do mundo inteiro pro Canadá nessa época. Além disso, espécies de gincanas na neve são feitas, além de festas abaixo de zero e esculturas na neve.

te_carnaval0001

Snow-Sculptures-Double-1024x342

Na Alemanha, em Colônia, o carnaval é mais que uma festa, é uma temporada que eles chamam de “a quinta estação do ano”. Começa às 11:11am do dia 11 de novembro e vai até a nossa quarta-feira de cinzas, com pausa só do Natal ao dia 06 de janeiro! Os alemães, contrariando a fama, dão show de simpatia, bom humor e hospitalidade durante os meses do carnaval, que é regado a muito chopp e festas tradicionais!

16032205

fantasias-do-carnaval-na-alemanha-1329412064465_300x300

Carros alegóricos, blocos, fantasias, álcool e muito colares em volta do pescoço das mulheres que optam por deixarem seus peitos à mostra! O carnaval de Nova Orleans (capital do jazz), nos EUA, se aproxima bastante do nosso. O dia principal também é a terça-feira, que chamam de Mardi Gras (terça-feira gorda, em francês). É o carnaval mais famoso dos Estados Unidos e atrai turistas do mundo inteiro!

Mardi-Gras-Pictures-Bourbon-Street-2

A young woman wearing lots of beads smiles on Bourbon Street during Mardi Gras in New Orleans, Louisiana

Em Veneza, as máscaras reinam! Durante os 10 dias de carnaval, bailes são organizados nos principais salões da cidade… É uma tradição do século XVI, onde os membros da nobreza se mascaravam para misturarem-se com o povo. Acho as máscaras um charme só!

carnaval-veneza-20120205-06-original

carnaval_em_veneza_1

Em 1876, em Nice, famoso balneário francês, carnavalescos desfilavam em seus carros e trocavam buquês entre si. Essa tradição se transformou e hoje, a batalha das flores, é uma das principais atrações do carnaval de Nice. As flores utilizadas para decorar os carros alegóricos são arremessadas ao público! Os gigantes bonecos de papel machê também são um ponto alto…

Carnaval_de_Nice_-_bataille_de_fleurs_-_1

http://www.nice-photographe.com/ Ne pas utiliser sans accord écrit !

O carnaval do Brasil dispensa apresentações… Dentre os mais famosos estão o de Olinda (PE), Salvador (BA) e Rio de Janeiro (RJ). E falando no Rio, recentemente vi um vídeo em que mostraram pra mulheres aleatórias nas ruas de New Orleans, a nossa Globeleza e explicaram o que ela representa… Achei curioso ver as reações e observações. Por mais que eu não ache a festa do meu agrado, defendo a existência dela, mas acho que já era hora de a gente se livrar de certos padrões que temos por aqui, né? Até quando o corpo da mulher vai ser comercializado e usado como atrativo principal? Tá mais do que na hora de deixar isso pra trás…

É pra se pensar, né?

De qualquer forma, fica aqui o meu desejo de bom carnaval à todos! Aproveitem e sejam prudentes, deixem o álcool longe da direção pra que todo mundo volte são e salvo pra contar as histórias da festa.

Beijos!!