Categorias de navegação

Fotografia

Fotografia

André Kertész e suas distorções

André Kertész foi um fotógrafo e jornalista nascido na Hungria, mas com carreira solidificada em NYC, onde morreu em 1985 aos 91. Um fotógrafo genial que, infelizmente, só obteve reconhecimento mais internacional depois da sua morte. Em uma época sem recursos digitais, sua série “distortion” é uma das suas obras mais impressionantes. São mais de 200 nus femininos encantadoramente distorcidos com reflexos e espelhos, o resultado é fascinante quando imaginamos os poucos recursos que ele tinha à disposição na época.

gm_06226101

ak01

ak02

A série é de 1933, mas seu fascínio pela distorção começou em 1917 quando fotografou uma nadadora embaixo d’água. André clicou nus distorcidos até um ano antes de sua morte, em 1984, quando encheu um quarto vazio de espelhos em Paris e fez os últimos cliques da sua vasta série que, em 1920 obteve o primeiro reconhecimento quando ilustrou a capa da revista VU. Um fato curioso sobre ele é que, apesar de ter vivido longos períodos entre os Estados Unidos e a França, ele nunca aprendeu outro idioma além do seu idioma natal. Isso fez com que a fotografia representasse mais que arte pra ele, fotografar era sua forma principal de expressão.

ak03

ak04

AK05

Acho que aqui entramos mais vez na questão do último post, né? Recurso não é nada, talento é tudo.

Fotografia, Ilustração

As colagens de Prince Lauder

Carlos Guerrero, mais conhecido como Prince Lauder é um artista mexicano, diretor de arte e ilustrador. A arte dele é recheada de conceito e cores e ele mistura pintura, fotografia, colagens e intervenções digitais. O resultado é um trabalho muito característico e inconfundível. Com uma linguagem de moda muito presente e já tendo trabalhado pra marcas como Miu Miu, Chanel, Givenchy e H&M, ele transformou sua obra em algo único. Alguns veículos renomados como Vogue, Marie Claire, Harper’s Bazaar e Elle também estão no seu portfólio. 

PL02

PL01

PL06

Peça do seu trabalho em colab com a Sunglass Hut pro London Fashion Week

Peça do seu trabalho em colab com a Sunglass Hut pro London Fashion Week

PL05

PL04

PL03

Vocês também se sentem inspirados com toda manifestação de arte? Parece que toda vez que faço um post sobre um artista me acende uma luzinha na cabeça e eu quero sair criando também!

Fotografia

Alexander Yakovlev e a dança

Alexander Yakovlev é um fotógrafo russo que tem grande destaque pelas suas fotos de dança. De ballet clássico a dança de rua, Yakovlev clica com perfeição a arte corporal desses profissionais da dança e eu fico babando, principalmente nas que ele usa elementos como farinha… O efeito é incrível!

001,medium_large.1445421073

AY02

dancer-portraits-dance-photography-alexander-yakovlev-131

AY01

dancer-portraits-dance-photography-alexander-yakovlev-121 (1)

ay03

Gente que faz arte com o próprio corpo e gente que registra essa arte com toda a sensibilidade que isso requer: muito amor!

Fotografia

Tippi Degré, a menina selvagem

Eu estou apaixonada pela história da Tippi e PRECISO dividir ela com vocês! Tippi Degré é uma mulher francesa de 25 anos, até aí tudo normal, não fosse o fato de que mais da metade desses 25 anos ela viveu na savana africana entre os mais selvagens animais. Entre zebras, leopardos, elefantes, cobras, avestruzes, leões e outros animais tão intimidadores, ela cresceu e viveu até os 13 anos entre esses amigos exóticos, até que seus pais voltaram pra Paris. Tippi não conseguiu se adaptar, tinha problemas de convivência e seus pais, fotógrafos da National Geographic, optaram por finalizar os estudos da filha em casa.

tippi02

Hoje ela tem 25 anos, estudou cinema e é diretora do  ‘El Petit FICMA’, a sessão infantil do festival FICMA (festival internacional de cinema do meio ambiente). Ela vive em Paris, mas até hoje participa de seminários e dá palestras sobre a relação entre o homem e os animais. Ela, que já foi o centro de documentários, é também a estrela do livro  Tippi of Africa, um livro com as fotos que seus pais fizeram dos anos selvagens dela. Os registros são de tirar o fôlego!

TP01

article-2337418-1A31F1B2000005DC-64_964x580TP0103
TP02tp05tp04

TP08

A vontade que dá é de colocar TODAS as fotos dessa coisa linda aqui! Sim, estamos tão apaixonados aqui em casa que nossa nova filha canina ganhou o nome de Tippi. Muito amor <3

Fotografia, M. B., Viagem

A luz da Califórnia e o cocar australiano

Hoje vou dividir com vocês umas fotos que tenho muito carinho! Estávamos de férias na Califórnia, eu e meu namorado, hoje marido! A gente já tinha a ideia de fazer umas fotos pra aproveitar a luz de lá que é uma das mais lindas do mundo na nossa opinião.

Já há algum tempo eu procurava um cocar, cheguei a procurar na internet, mas não quis arriscar comprar algo tão cheio de detalhes sem ver de perto. Um dia na nossa viagem, eu estava caminhando pela Abbot Kinney em Los Angeles e acabei encontrando um lindo cocar, de índios australianos, numa loja super descolada de lá! Era a oportunidade perfeita pra fazer nossa sessão de fotos, o cocar é tão lindo que parece uma jóia.

India05

India07

Um amigo nosso que mora na Califórnia nos ajudou e dirigimos por um tempo pra fora do estado pra encontrar um lugar que tínhamos visto no Google Maps e parecia ser a locação perfeita. O Ju foi o fotógrafo (sempre meu favorito) e o Marcelinho, amigo nosso e padrinho de casamento, fez a assistência. Assim fizemos uma das sessões de fotos que mais gosto!

India04

India02

India03

Com esse fotógrafo e essa luz, o resultado é garantido, né?

Fotografia, Sem categoria

Francesca Woodman, a garota interrompida

Francesca Woodman nasceu em  abril de 1958 e morreu apenas 22 anos depois, em janeiro de 1981. Fotografias em preto e branco com corpos femininos, longas exposições e um embaralhamento intrigante marcaram a breve obra dessa fotógrafa americana que suicidou-se e, após isso, teve seu trabalho popularizado ao redor do mundo.

E1

FW02

Os rostos sempre confusos ou encobertos, a falta de elementos estáticos e um enquadramento ousado, é essa mistura que causa grande curiosidade das pessoas sobre a obra de Woodman, seus autorretratos eram frequentes, mas ainda há certa confusão em separá-los das fotografias que ela fazia de suas amigas, o vulto causado pelas longas exposições dão ar permanentemente misterioso, obscuro e curioso…

FW01

Seu talento ganhou maior notoriedade ao redor do mundo após se jogar da janela de seu estúdio. Seu trabalho foi motivo de exposições em muitos países, inclusive no Brasil, em 2012. Olhando a obra de Francesca, fica a impressão de que ela sempre teve uma relação próxima com a morte. Fotógrafa precoce, começou aos 13 anos e deixou um histórico de 8 anos de registros que eu, particularmente, admiro muito.


Untitled design (1)

woodman_francesca_2009_82_1

A impressão que dá é que ela tentava muito falar alguma coisa através das fotografias, como se pedisse ajuda… Infelizmente ninguém interpretou corretamente em tempo.

Tem gostado daqui? Já curtiu a página? o/

Fotografia

A fotografia sombria de Grant Yoshino

Grant Yoshino cresceu em San Jose (Califórnia, EUA), e além dos brinquedos normais de crianças, ele foi apresentado ao mundo dos filmes muito cedo. Sua fascinação sempre foram os filmes de horror, violentos e pesados e isso reflete em seu trabalho até hoje. Aos 20 começou a estudar fotografia na faculdade e foi o processo de criar imagens conceituais que deu sentido à sua existência. Hoje, morando em Los Angeles, já assinou as fotos de muitos editoriais de moda e busca equilíbrio entre seus trabalhos comerciais e os autorais.

gy01

Madison+Moellers1
gy03COS+(5+of+6)

Já fotografou celebridades como James Franco e Wiz Khalifa

Já fotografou celebridades como James Franco e Wiz Khalifa

Corrie+(3+of+5)

Parece que realmente os filmes que a gente vê na infância podem influenciar muito mais do que imaginamos. O tom sombrio das fotos de Yoshino é notável e já sua marca registrada.

Já curtiu a página do site? 🙂

Fotografia

O fotojornalismo de Henri Cartier-Bresson

Henri Cartier-Bresson é considerado um dos pais da fotografia jornalística. Francês, nasceu em 1908 e morreu em 2004, aos 95  (dia 02 de agosto o mundo completou 11 anos sem ele). Ainda criança ganhou uma câmera Box Brownie, com ela produziu milhares de fotos e registrar momentos virou uma obsessão. Estudou artes em Paris e dedicou sua vida à captação de imagens ao redor do mundo, mas também pintava. Fotografou os últimos dias de Gandhi e foi o primeiro fotógrafo europeu a entrar pacificamente e a trabalhar livremente na União Soviética.

Henri-Cartier Bresson

Henri-Cartier Bresson

Na segunda guerra mundial, foi recrutado para servir o exército francês, foi capturado e só conseguiu escapar na terceira tentativa. Depois da paz novamente estabelecida, em 1947, Bresson e Robert Capa (outro grande fotógrafo, suas fotografias de guerra valem a pesquisa), fundaram a Magnum Photos que é uma das maiores e mais respeitadas agências de fotografia do mundo até hoje.

USA. NYC. 1947. US writer Carson McCULLERS and US editor George DAVIS.

New York, EUA, 1947.

FRANCE. Paris. Avenue du Maine. 1932.

Paris, França, 1932.

SPAIN. Madrid. 1933.

Madrid, Espanha, 1933.

Nápoles 1960

Nápoles, Itália, 1960.

Munich 1962

Munich, Alemanha, 1962.

As fotografias de Bresson são em preto e branco e sua grande paixão era a marca Leica, muitos contavam que o fotógrafo andava pelas ruas quase saltitando procurando ângulos com três modelos de câmera da marca penduradas no pescoço. Muitos retratos de personalidades icônicas foram feitos ele, em seu arsenal tem Simone De Beauvoir, Jean-Paul Sartre, Gandhi, Albert Camus, Marilyn Monroe.

Albert Camus

Albert Camus

Marilyn Monroe

Marilyn Monroe

Mahatma Gandhi

Mahatma Gandhi

Pioneiro em fotografia de rua, influenciou gerações de fotógrafos que aprenderam com seus registros apaixonados. Paciente, defendia que tudo na vida tem um momento decisivo e era dessa forma que encarava a fotografia, esperava o quanto fosse para o clique perfeito. Segundo ele, não há movimento que não tenha um momento de perfeita harmonia, era por esses momentos que Bresson vivia. “Fotografar é colocar na mesma linha a cabeça, o olho e o coração”, outra frase dele que dizia que uma câmera é um livro em branco, fotografar é desenhar.

leicas

Esse é, sem dúvidas, uma das minhas grandes inspirações fotográficas, gosto de como as formas, luzes e sombras parecem perfeitamente compostas. Fotografar em estúdio com poder total de luz e cenário não me toca como artista, arte é fazer de cenas cotidianas, um perfeito momento congelado que fala mais que mil palavras.

Fotografia, M. B.

Eu, ele e a fotografia

A flecha do nosso cupido foi certeira como um click perfeito no único milésimo de segundo em que uma cena imperdível acontecia.  Fomos atingidos numa época em que eu estava morando na Europa e, por influência inconsciente do meu pai que na minha memória sempre aparece com uma câmera embaixo do braço registrando tudo, eu estava com a minha máquina fotográfica congelando meus frames preferidos do norte do mundo. Nessa altura eu já estava munida com uma câmera profissional, mas lembro de ainda na infância ter máquinas analógicas que foram aos poucos evoluindo para digitais mais simples e, conforme fui alcançando minha independência financeira, fui também evoluindo meu equipamento e agregando lentes e acessórios, fotografar é uma diversão e uma terapia pra mim.

Bom, eu  não só registrava a Europa, mas também compartilhava no Facebook, era uma maneira de mostrar à minha família e aos meus amigos o que de mais belo cruzava meu caminho. Um dia, o Ju que já era meu amigo no Facebook desde 2009 porque tínhamos muitos amigos em comum, me chamou pra perguntar se as fotos eram minhas mesmo, no fundo ele pensava que eu roubava as fotos da internet! Eram minhas, são minhas. Eu já tinha visto que ele postava algumas fotos incríveis também, gostava das imagens que ele compartilhava, mas guardei isso pra mim. Depois do primeiro passo dele através do cupido fotográfico, a conversa foi evoluindo pra outras artes e descobrimos muitas intersecções musicais também. Bom, em pouco tempo nos rendemos e hoje ele é meu marido.

Em nossas viagens, a fotografia sempre foi o terceiro elemento. Ele com a câmera dele, eu com a minha. Sempre trocamos muitas figurinhas, ele me ensina uns truques, eu opino sobre ângulos e assim a gente vai evoluindo junto. É um momento de cumplicidade quando e a gente brinca de fotografar os mesmos elementos de formas diferentes, a gente sempre brinca que gostamos de dar ângulos para as nossas viagens. Por muitas vezes ele me fotografou e esse material serviu, inclusive, de atualização do meu portfólio como modelo.

Arquivo pessoal.

Arquivo pessoal.

Há um tempo fizemos uma viagem para Los Angeles e, acompanhados de dois amigos brasileiros que também estavam lá e mais tarde tornariam-se nossos padrinhos de casamento, fizemos uma viagem de carro para Utah e assisti a inspiração do Ju atingir o Nirvana, fotografamos como se não houvesse amanhã em muitas das imagens que hoje estão presentes na Exposição Faces, vieram desta viagem que tenho muito orgulho e me sinto privilegiada em ter visto muitas serem tiradas. Foi uma viagem inesquecível, ficamos hospedados dentro do canyon, fizemos muitas trilhas e caminhadas, madrugamos para assistir o nascer do Sol e vivemos dias incríveis nos sentindo pequenos em meio a uma natureza tão gigantesca.

IMG_8389

Até me emociona ter uma pessoa tão artisticamente desenvolvida ao meu lado, são tantas as facetas que eu não canso de me surpreender, sou fã de todas elas, ele me inspira todos os dias e me faz transbordar orgulho! No que depender de mim, o mundo inteiro vai ouvir falar o nome dele, espero ter sempre a oportunidade de incentivá-lo e de assistir a evolução desse artista de alma que, com certeza, não teve o caminho cruzado com o meu em vão. Muito amor! Aproveito pra convidar vocês para visitar a primeira exposição dele que está incrível, fico muito feliz que ele tenha tomado a decisão de dividir esse talento com as pessoas. E pra enriquecer ainda mais a exposição, algumas imagens contam com intervenções do também super talentoso artista plástico André Gonzaga Dalata.

Convite Expo Junior Lima e Dalata (1)

Tela da Exposição Faces. Eu no centro, foto do Ju e intervenção do Dalata.

Tela da Exposição Faces. Eu no centro, foto do Ju e intervenção do Dalata.

<3

Fotografia

Os autorretratos de Luciana Urtiga

Luciana Urtiga é brasileira de Campina Grande (PB), diretora de arte e de mídia, fotógrafa e artista digital, combinando os talentos chega a resultados lindíssimos. Dentre seus diversos trabalhos, seus autorretratos são as obras mais fascinantes.
LUG02

Passe para o lado para ver mais fotos da galeria abaixo:

LU09
« 1 de 5 »

Luciana é produto nacional de alta qualidade e elevou as selfies à um novo nível. Pra quem quiser mais informações sobre o trabalho, o portfólio dela está recheado de coisas incríveis!