Tags de navegação

blood

Pintura

Mark Ryden e o pop-surrealismo

Mark Ryden é um pintor estadunidense super renomado dentro do movimento pop-surrealista. O trabalho do Ryden consegue ser delicado e quase macabro ao mesmo tempo. Formado pela Art Center College of Design em Pasadena em 1987, nem sempre foi artista autoral. Seu início foi como artista comercial, tem no portfólio inúmeras capas feitas para CDs renomados.

Hoje, aos 52 anos, Ryden é referência pop-surrealista no mundo artístico e obcecado por carne. Em um artigo publicado em 2001, ele diz achar que o fato de as pessoas perguntarem tanto o porquê de ele pintar tanto a carne é justamente o que faz ele ter mais e mais vontade de pintar carne. Segundo ele, que é um carnívoro assumido e julga o consumo de carne um instinto primitivo, a carne é um dos elementos que mais gosta de pintar por conta da variedade de texturas e da facilidade que tem em transformar a representação da carne em algo abstrato. Tudo bem que a carne é algo natural, mas é um pouco chocante e perturbador o modo com que é pintada. Em 1998 ele expôs a série que intitulou “The Meat Show”, sua primeira exposição.

Alguém mais acredita que o vestido da Lady Gaga no VMA de 2010 foi inspirado nessa pintura?

MR01 MR02 mr04 6789035_orig

Em 2003, a exposição “Blood” reafirmou o estilo de Mark Ryden, um artista orgânico, visceral e pouco preocupado com o forte impacto dos elementos de suas pinturas.  Ainda assim, mesmo com o excesso de sangue, seu trabalho conseguiu manter a base delicada – o que torna cada série mais e mais fascinante.

wound baptism_of_jajo

cloven_bunny drips

fountain manus_christi

Arquivo pessoal Monica Benini

Arquivo pessoal Monica Benini

Em 2007, uma série menos chocante virou uma exposição também intitulada “The Snow Yak Show”, as pinturas perderam cor e ganharam um ar de serenidade pouco comum no trabalho do artista até então.

Desejamos vida longa ao trabalho desse artista incrível que se reinventa a cada mostra sem deixar sua identidade de lado. Impossível ver uma obra de Mark Ryden e não identificar de cara.