Tags de navegação

muniz

Fotografia, M. B.

Eu, ele e a fotografia

A flecha do nosso cupido foi certeira como um click perfeito no único milésimo de segundo em que uma cena imperdível acontecia.  Fomos atingidos numa época em que eu estava morando na Europa e, por influência inconsciente do meu pai que na minha memória sempre aparece com uma câmera embaixo do braço registrando tudo, eu estava com a minha máquina fotográfica congelando meus frames preferidos do norte do mundo. Nessa altura eu já estava munida com uma câmera profissional, mas lembro de ainda na infância ter máquinas analógicas que foram aos poucos evoluindo para digitais mais simples e, conforme fui alcançando minha independência financeira, fui também evoluindo meu equipamento e agregando lentes e acessórios, fotografar é uma diversão e uma terapia pra mim.

Bom, eu  não só registrava a Europa, mas também compartilhava no Facebook, era uma maneira de mostrar à minha família e aos meus amigos o que de mais belo cruzava meu caminho. Um dia, o Ju que já era meu amigo no Facebook desde 2009 porque tínhamos muitos amigos em comum, me chamou pra perguntar se as fotos eram minhas mesmo, no fundo ele pensava que eu roubava as fotos da internet! Eram minhas, são minhas. Eu já tinha visto que ele postava algumas fotos incríveis também, gostava das imagens que ele compartilhava, mas guardei isso pra mim. Depois do primeiro passo dele através do cupido fotográfico, a conversa foi evoluindo pra outras artes e descobrimos muitas intersecções musicais também. Bom, em pouco tempo nos rendemos e hoje ele é meu marido.

Em nossas viagens, a fotografia sempre foi o terceiro elemento. Ele com a câmera dele, eu com a minha. Sempre trocamos muitas figurinhas, ele me ensina uns truques, eu opino sobre ângulos e assim a gente vai evoluindo junto. É um momento de cumplicidade quando e a gente brinca de fotografar os mesmos elementos de formas diferentes, a gente sempre brinca que gostamos de dar ângulos para as nossas viagens. Por muitas vezes ele me fotografou e esse material serviu, inclusive, de atualização do meu portfólio como modelo.

Arquivo pessoal.

Arquivo pessoal.

Há um tempo fizemos uma viagem para Los Angeles e, acompanhados de dois amigos brasileiros que também estavam lá e mais tarde tornariam-se nossos padrinhos de casamento, fizemos uma viagem de carro para Utah e assisti a inspiração do Ju atingir o Nirvana, fotografamos como se não houvesse amanhã em muitas das imagens que hoje estão presentes na Exposição Faces, vieram desta viagem que tenho muito orgulho e me sinto privilegiada em ter visto muitas serem tiradas. Foi uma viagem inesquecível, ficamos hospedados dentro do canyon, fizemos muitas trilhas e caminhadas, madrugamos para assistir o nascer do Sol e vivemos dias incríveis nos sentindo pequenos em meio a uma natureza tão gigantesca.

IMG_8389

Até me emociona ter uma pessoa tão artisticamente desenvolvida ao meu lado, são tantas as facetas que eu não canso de me surpreender, sou fã de todas elas, ele me inspira todos os dias e me faz transbordar orgulho! No que depender de mim, o mundo inteiro vai ouvir falar o nome dele, espero ter sempre a oportunidade de incentivá-lo e de assistir a evolução desse artista de alma que, com certeza, não teve o caminho cruzado com o meu em vão. Muito amor! Aproveito pra convidar vocês para visitar a primeira exposição dele que está incrível, fico muito feliz que ele tenha tomado a decisão de dividir esse talento com as pessoas. E pra enriquecer ainda mais a exposição, algumas imagens contam com intervenções do também super talentoso artista plástico André Gonzaga Dalata.

Convite Expo Junior Lima e Dalata (1)

Tela da Exposição Faces. Eu no centro, foto do Ju e intervenção do Dalata.

Tela da Exposição Faces. Eu no centro, foto do Ju e intervenção do Dalata.

<3